BioPeixe.com

Bio Beixe

Tudo o conhecimento para o seu aquario

Categoria: Alimentação

Esta página teve 23 views
Uma alimentação adequada para ter peixes ornamentais saudáveis e ativos

Alimentar os seus peixes é uma tarefa agradável e, ao mesmo tempo, o ponto alto do dia do aquário. Nessa altura, mesmo o peixe mais tímido se mostra e é possível observar muitos comportamentos interessantes. Pela sua origem e pelos seus hábitos, os peixes têm diferentes necessidades alimentares.

Neste artigo tentaremos informá-lo quanto aos diferentes hábitos e necessidades alimentares dos peixes, iremos abordar o significado dos diversos ingredientes dos alimentos e, claro está, iremos falar sobre quais os diferentes tipos de alimento que deve utilizar, para que possa variar a alimentação de acordo com as necessidades específicas dos seus peixes.

Na natureza, as fontes de alimento para os peixes são por vezes muito diferentes e os peixes têm que se adaptar a elas. Por exemplo, há muitos peixes que se alimentam principalmente de plantas e algas (peixes-gato, ciclídeos Africanos).

Para um crescimento saudável e para que exibam as suas melhores cores, os peixes ornamentais precisam de alimentos que estejam de acordo com as suas necessidades e que tenham, numa proporção correta, todos os nutrientes, vitaminas e minerais.

Os alimentos que estão a venda nas lojas especializadas para peixes asseguram uma nutrição natural e de excelente qualidade. São utilizados do seu fabrico os melhores ingredientes; o seu processamento cuidado garante a elevada e constante qualidade do produto final. Os produtos vegetais naturais não só contêm muitos ingredientes saudáveis, mas também tornam os alimentos especialmente saborosos e apetitosos para os peixes. O facto de os alimentos serem liofilizados (esse método designa de “FD”) faz com que estes estejam completamente isentos de parasitas.

Alimentação

Ao dá-los aos seus peixes está a evitar uma alimentação desequilibrada e, simultaneamente, a prevenira introdução de doenças através de alimentos vivos ou congelados.

São utilizados diversos ingredientes nas diversas formas de se produzir um alimento saudável para os peixes de aquário. Em todos os fabricantes de reção de peixe, utilizem os ingredientes que considerem os melhores. Mas o aquarista pode perfeitamente fazer o seu próprio alimento.

  1. A paprica e a cenoura estimulam a digestão. Elas são ricas em vitaminas e carotenos os quais melhoram, de uma forma natural, as cores dos seus peixes.
  2. Os feijões de soja melhoram a resistência às doenças. Eles contêm uma grande quantidade de proteína e lecitina e, para além disso, aumentam a fertilidade dos machos, melhorando o seu desempenho reprodutivo.
  3. A borragem fortalece os rims e alivia o stress.
  4. O espinafre e a urtiga são ricos em minerais e oligoelementos, aumentando ao mesmo tempo a vitalidade dos peixes.
  5. O manjericão, vulgarmente utilizado como especiaria, mas também possuidor de propriedades medicinais, melhora o estado geral dos seus peixes.
  6. Um outro vegetal com propriedades medicinais é a angélica. Este contribui para aliviar o stress.
  7. O anis estimula o apetite e a digestão dos peixes.
  8. A farinha de peixe e outros derivados do pescado e também as larvas vermelhas, mexilhões e dáfnias constituem uma fonte de energia de fácil digestão e uma base alimentar natural para a nutrição dos seus peixes.

Para que necessitam os peixes dos diferentes nutrientes?

O alimento deve conter uma proporção equilibrada de nutrientes, vitaminas, minerais e oligoelementos para permitir uma nutrição de acordo com as necessidades naturais do peixe.

Alimentação

  • Os hidratos de carbono e as gorduras são as fontes energéticas mais importantes no alimento. No entanto, se ocorrer um fornecimento exagerado destes nutrientes vai haver deposição de gordura e consequente obesidade e danos em determinados órgãos. Por isto, o alimento deve ser pobre em gordura (menos de 6 % de gordura). Com exceção: os alimentos para o crescimento de peixes jovens podem conter até 8 % de gordura.
  • As proteínas são constituídas por longas cadeias de aminoácidos. Durante o processo digestivo estas cadeias são desfeitas, ficando os aminoácidos livres. Estes serão absorvidos no intestino e mais tarde recombinados em novas cadeias (proteínas) que são utilizadas para muitas funções, entre as quais para o crescimento dos músculos do peixe. Alimentos ricos em proteína são na realidade “fontes de energia” para os peixes. A proteína de origem animal é, geralmente, de digestão mais fácil que a de origem vegetal, por isto, os peixes carnívoros têm tubos digestivos curtos e barrigas pequenas. Em contrapartida, os peixes herbívoros (por exemplo: os Loricariidae), pela mesma razão, têm tubos digestivos compridos e barrigas redondas e volumosas. Estas diferenças devem ser tidas em conta quando pretendemos nutrir o peixe de acordo com as suas necessidades.
  • Os oligoelementos desempenham muitas tarefas no organismo. Eles são, frequentemente, uma parte indispensável ao funcionamento das enzimas, as quais podem ser consideradas as “ferramentas” do organismo, os oligoelementos só são necessários em muito pequenas quantidades.
  • Os minerais (exemplo: o cálcio) são indispensáveis para a construção do esqueleto e para um crescimento saudável dos peixes.
  • As substâncias de balastro não têm valor para o peixe, em termos nutricionais, mas são mesmo assim muito importantes: elas previnem a prisão de ventre que acabaria por trazer outros problemas mais graves. Este problema ocorre frequentemente, por exemplo quando alimentamos Discos durante muito tempo unicamente com comida pobre neste tipo de substâncias, tal como por exemplo coração de boi moído (para além do problema referido, este tipo de alimentação é muito pouco equilibrado e não satisfaz, de forma alguma, as necessidades do peixe.
  • Vitaminas é um nome genérico utilizado para classificar substâncias ativas que, na realidade, têm muito pouco em comum entre si. Da mesma maneira, o seu modo de ação varia de vitamina para vitamina e as necessidades que o animal tem relativamente a cada uma são muito diferentes. A falta de uma não pode ser compensada com o excesso de outra.

Quais as vitaminas mais importantes, que funções desempenham no corpo dos peixes e quais os sintomas da sua deficiência, se os peixes ingerirem alimentos de baixa qualidade que por vezes quase nem contêm vitaminas. A deficiência de praticamente todas as vitaminas leva a perda de apetite e problemas de crescimento. Peixes apáticos e com mau aspeto sofrem quase sempre de carências de vitamínicas na sua alimentação. Assim, parece-nos óbvio o significado das vitaminas na manutenção da saúde dos peixes.

  • A vitamina B1 é necessária para a obtenção de energia a partir dos hidratos de carbono do alimento e para que seja possível fornecer glucose ao cérebro e nervos (alimentação do sistema nervoso). A falta de vitamina B1 pode levar a distúrbios no movimento e mesmo a cãibras.
  • A vitamina B2 desempenha um papel importante na digestão das proteínas, necessárias para o crescimento muscular, e como protetor das membranas mucosas. Sintomas de deficiência são feridas hemorrágicas na pele e distúrbios no sistema nervoso central.
  • A vitamina B5 (vitamina PP) é indispensável para a síntese de várias enzimas. Sintomas típicos de deficiência são problemas nas guelras.
  • A vitamina B6 é importante para o sistema nervoso. A sua ausência provoca danos no sistema nervoso que levam a distúrbios motores.
  • A vitamina B12 é necessária para o bom funcionamento dos órgãos digestivos e para a síntese da hemoglobina, pigmento que confere ao sangue a sua cor vermelha característica e é responsável pelo transporte de oxigénio. A sua falta provoca anemias e, consequentemente, apatia e problemas de crescimento.
  • A vitamina A melhora a visão e induz um crescimento saudável. Simultaneamente funciona como um protetor da pele e como um fator de fertilidade. A deficiência em vitamina A leva ao aparecimento de lesões nos olhos e a feridas em sangue.
  • Uma carência em vitaminas do complexo B leva ao aparecimento de lesões na pele. As vitaminas podem também ser absorvidas diretamente através da pele.
  • A vitamina C é importante para o crescimento do esqueleto. Adicionalmente, tem um papel importante no aumento das resistências naturais contra as doenças. A falta de vitamina C leva a deformações nas guelras e uma maior predisposição para a doença. Na sua forma original, a vitamina C é sensível ao ar.
  • A vitamina D3 regula a absorção de cálcio e fósforo e é por isso muito importante para o crescimento ósseo e, logicamente, do esqueleto. A sua deficiência está por trás do aparecimento de deformações ósseas (raquitismo).
  • A vitamina E estimula a produção das hormonas da fertilidade. Para além disso, ajuda na estabilização de outras vitaminas e dos valiosos ácidos gordos insaturados, do alimento. Sintomas típicos da carência de vitamina E são infertilidade e fígado-gordo (deposição exagerada de gordura no fígado).
  • A vitamina H (biotina) é um fator de crescimento. Assim, a sua deficiência resulta em problemas de crescimento e também em falta de apetite e cãibras.
  • A vitamina K beneficia a coagulação do sangue, após ferimentos. A sua deficiência acarreta problemas na cicatrização e também danos no fígado.
  • A colina é necessária para a digestão das gorduras. A sua deficiência provoca fígado-gordo, entre outros problemas.
Copeina guttata
planta aquario potamogeton lucens
Potamogeton Lucens
O nosso grupo no Facebook
Potamogeton Lucens
Aqualon - 2013 - Janeiro - Fevereiro - Marco
Practical Fishkeeping - 2016 - 09-Setembro
Copyright © 1983- 2019 todos os direitos de autor reservado. Todas as informações e fotografias contidas nesta página não podem ser reproduzidas, mesmo parcialmente, sem o acordo do autor.
Uma paixão que já dura desde da década de 80, mais precisamente em 1983, o ano da descoberta do mundo da aquariofilia com o meu primeiro aquário de 60 litros, neste momento posso dizer que tenho um conhecimento médio/alto. Bio-Peixe Grupo no Facebook ou Facebook