BioPeixe.com

Bio Beixe

Tudo o conhecimento para o seu aquario
Esta página teve 1.128 views
O biotopo dos Labidochromis caeruleus

O Labidochromis caeruleus é oriundo do lago Malawi, é um lindo ciclídeo de fácil reprodução.

Desde do início dos anos 70 que se conhece o ciclídeo do lago Malawi com o nome de Labidochromis caeruleus Yellow (Lion’s Cove). A espécie tem uma larga borda longitudinal negra na barbatana dorsal e do mesmo modo, das barbatanas peitorais e anais são orladas de preto. É com estas características e com a forma da boca destes peixes que são particularmente pontiaguda e para além da cor amarela que distingue este peixe. Este ciclídeo fez a sua aparição em meados dos anos 80 na Europa (foi visto pela primeira vez em 1985 numa exposição de ciclídeos da capital de Malmo que fica situada na Suécia) e com todos as características físicas desta espécie se caracterizaram estes peixes.

labidochromis caeruleus

Dos meados dos anos 80, com o desempenho de Pierre Brichard, foi quando esta espécie foi trazida para uma estação de pesca no Burundi que fica situado da margem Norte do lago Tanganica. Daí se começou a fazer a criação desta espécie, conforme foi planeado e também se fez o envio de exemplares para a Europa. Só mais tarde e praticamente sem grande aparato, que o peixe tornou-se conhecido, principalmente como “Yellow” foi batizado em 1956 ao Labidochromis caeruleus Yellow por Geoffrey Fryer.

Também a umas espécies que forem muito conhecidas nos anos 70, e que forem confundidas com o Labidochromis caeruleus Yellow, como exemplo o Labidochromis “caeruleus likomae” que ganhou o nome científico de Caeruleus porque o primeiro exemplar que foi descrito era um macho azulado original da baía de Nkhata no lago Malawi (o nome Caeruleus significa azul em latim), não tem absolutamente nada a ver com o Labidochromis caeruleus Yellow e também não é, nenhuma subespécie.

O Habitat natural

O Doutor Adrianus Konings relata que esta espécie amarela é muito difícil de se apanhar do seu meio natural, pois ela só existe a 20 metros de profundidade (no máximo até 40 metros e em casos isolados já desde os 10 metros). Verifica se a sua existência no lago Malawi entre Charo (escrito em alguns casos Gharo) e a ilha Mbowe na parte noroeste do lago. A sul da ilha Mbowe encontra-se principalmente a variante branca e a sul de Nkhata-Bay, os peixes não têm a listas preta e são brancos puros. Cape Chirombo é reconhecido como sendo o habitat da espécie, mais a sul.

Lago Malawi labidochromis caeruleuslabidochromis caeruleus

 

 

 

 

 

 

Esta forma amarela ocupa tanto os biótopos das costas rochosas como as zonas de passagem até aos campos de Vallisneria. Pensa se ter descoberto que as populações das zonas rochosas se isolaram geneticamente das populações dos campos de Vallisneria. Os que fazem parte da população das rochas vivem de larvas de insectos e de invertebrados, esta espécie tem dentes aguçados nos ossos da garganta.

As populações que povoam os campos de Vallisneria, pelo contrário, têm dentes duros e alimentam-se sobretudo de caracóis. Deve de se ter em consideração, o facto de ser conhecido que todos os ciclídeos do lago Vitória, durante a sua evolução individual têm a possibilidade de conforme o modo de alimentar se, desenvolver dentes molariformes para esmagar conchas dos caracóis ou pequenos dentes aguçados para a assimilação de larvas de insectos. Por isso, não parece que ainda existe provas de um isolamento genético, tendo como motivo a natureza da dentição da garganta no Labidochromis caeruleus Yellow.

Recomendação: Como alimentar correctamente os peixes de aquário.

Manutenção no aquário

De acordo com algumas bibliografias, os Labidochromis caeruleus Yellow adultos deveriam ter cerca de 8-9 cm. E as fêmeas da mesma idade são 2 cm mais pequenas. Mas os machos em aquário podem chegar a mais de 10 cm de comprimento total. Estes peixes, em comparação com outras espécies, até mesmo com os Tetras de tamanho médio e com os Barbos, são acentuadamente passivos. E as fêmeas que não são permanentemente perseguidas, podam viver tranquilamente junto do macho dominante. Deve se alimentar os peixes alternadamente com alimentos congelados e com flocos, e ocasionalmente de vez enquanto com larvas vivas de mosquito preto ou branco.

 aquário para os labidochromis caeruleus

Quando o aquário é espaçoso, os peixes podem habitar junto com outros ciclídeos da África Oriental. Os machos Labidochromis caeruleus Yellow passam praticamente o dia todo na abertura de cavernas. Quando temos mais de que um macho dentro do aquário, eles passa algum tempo a se combater, acompanhados por movimentos natatórios circulares violentos, assim como a desistência do mais fraco, o indivíduo mais forte evidencie-se como “dono e senhor” de uma estrutura de pedra maior. Embora os Labidochromis caeruleus Yellow sejam claramente dominantes no aquário, e só em caso de raras lutas com outras espécies se possa alcançar o respeito sem problemas, procuram ocasionalmente, e especialmente para alimentaram-se, e também espaços para poderem nadar livremente.

Segundo se afirma ocasionalmente em algumas bibliografias, a espécie não é territorial, mas em alguns casos não se posso confirmar estes dados. Os machos, entre eles são mesmo muito territoriais. Pode se comprovar uma tolerância relativamente grande entre eles, em comparação com outras espécies. Só quando os machos de umas outras espécies tentaram desovar, no território dos Labidochromis caeruleus Yellow é que estes, na maior parte das vezes os impediram.

Reprodução: Alimentar os peixes dos vários nível do aquário.

Reprodução

Embora, ao longo dos anos, tem se obtido dos casais numerosos peixes juvenis, em ralas ocasião que se consegue observar um acto de desova, pois quando observamos as fêmeas já tem os ovos na boca.

Nos grandes aquários é sempre difícil de retirar os juvenis do aquário para criar em separadamente. No máximo, a sempre um que se consegue por se a salvo entre a decoração do aquário, e assim escapar aos outros habitantes do aquário que se encontra permanentemente esfomeados. Na melhor das hipóteses, as fêmeas que tem a boca cheia de ovos, deixam-se ser retirar do aquário.

E deste modo tem-se um melhor resultado de que a deixar dentro do aquário. A fêmea carrega os ovos na boca durante um pouco mais de três semanas (dependendo da temperatura da água do aquário). Os jovens comem desde o início qualquer tipo de alimento em floco, que após um curto período se decompõem na água. O facto de se exigir poucos cuidados e de ser fácil de cria-lo faz do Labidochromis caeruleus Yellow um dos ciclídeos do lago Malawi mais procurados e mais vendidos.

[sz-youtube url=”https://youtu.be/6ex6qSQmpIg”/]

 

Aphyosemion australe
Potamogeton Crispus
O nosso grupo no Facebook
Potamogeton Crispus
Practical Fishkeeping - 2016 - 02-Fevereiro
Copyright © 1983- 2020 todos os direitos de autor reservado. Todas as informações e fotografias contidas nesta página não podem ser reproduzidas, mesmo parcialmente, sem o acordo do autor.
Uma paixão que já dura desde da década de 80, mais precisamente em 1983, o ano da descoberta do mundo da aquariofilia com o meu primeiro aquário de 60 litros, neste momento posso dizer que tenho um conhecimento médio/alto. Bio-Peixe Grupo no Facebook ou Facebook