BioPeixe.com

Bio Beixe

Tudo o conhecimento para o seu aquario

Categoria: Aquário

Esta página teve 663 views
Os diferentes tipo de aquário existente e os mais comum

Os diferentes tipos de biotopos existente, permitem a idealização dos mais diversos tipo de aquários , para ir ao encontro das criações pessoais para o tipo de aquário.

As instalações como a decoração dos diversos tipo de aquário são determinadas fundamentalmente pelo o gosto, e pela imaginação do seu proprietário. As ideias particulares acerca de um mundo subaquático exótico, não permitem estabelecer normas rígidas. Apesar disto ao longo do tempo tem-se implantado alguns conceitos que especificam o carácter de cada tipo de aquário. Em muitas ocasiões a decisão de instalar um tipo de aquário para um determinado grupo de peixes obedece a um impulso repentino depois de os ver numa loja da especialidade ou em casa de um amigo.

O melhor a fazer é planear e refletir muito bem sobre a sua população e suas necessidades. Os diferentes elementos que compõem um tipo de aquário devem ser montados com critérios para a sua adequada manutenção, deixando para o final as plantas e os peixes.

Tipo de aquário.

Referimo-nos ao tipo de aquário como sendo um conjunto formado por: aquário um recipiente geralmente de vidro, colado com silicone destinado a conter agua, decoração, peixes e plantas, e todo o equipamento necessário para reproduzir e manter as condições do meio em que vivem os ditos seres aquático, filtro, termostatos, lâmpadas, etc.

Podemos distinguir os vários tipos de aquários pela sua temperatura, aquário de água fria, da água tropical e aquário de água salgadas, estas denominações deriva essencialmente das condições ambientais naturais dos peixes. Veremos principalmente o tipo de aquário tropical de água doce, que é o mais comum na aquariofilia. Já que ao facto de ser vistoso e de ser de simples manutenção, e nas lojas da especialidade, é onde há maior variedade de peixes, que são normalmente destinas a estes aquários.

tipo de aquário comunAquário comum

O tipo mais divulgado é o aquário comum, é um aquário onde reunimos espécies de plantas e peixe, sendo indiferente a sua procedência. Misturamos ou reunimos peixes e plantas que no meio natural nuca se encontrariam juntos, é preciso procurar que nele exijam a proximamente as mesmas condições de águas, luz, espaço e alimentação. Neste caso o aquariofilista tem que se preocupar que as espécies de peixes sejam compatíveis, e que não se verifiquem neles comportamentos de territorialidade etc., não existem uma preocupação especial quanto a sua origem geográfica.

tipo de aquário de biótipoAquário de biótopo

Quando se agrupam num aquário peixe e plantas originários de um mesmo biótopo natural, fala-se de um aquário biótopo. É como o anterior, com a única diferença de que as espécies têm uma procedência comum sejam da mesma região do mesmo continente. O critério de seleção pode ser mais ou menos vasto. Em casos gerais (os peixes da América do sul, por exemplo) ou casos muito concretos (peixes do rio negro, no Brasil). Tem que se considerar sempre, que os peixes devem ser de ecossistemas similares, não faz sentido, juntar um peixe de mangais com outro de charcos, mesmo que sejam ambos da África oriental e se possam encontra a escassos quilómetros um do outro.

tipo de aquário de espécieO aquário de espécie

E aqueles onde reunimos espécies de peixes pertencentes a mesma família, embora sejam de procedências diferentes mas de requisitos similares. São tipos de aquários em que as vezes influem o fator origem geográfica, mas tendo em conta as necessidades específicas destes peixes (por exemplo, esconderijo nos aquários de Ciclídeos, espaços para nadar em aquários de barbos).

Outros tipo de aquário:

Os chamados Aquários de reprodução, continuam a ser um tipo de aquário orientado exclusivamente para a sua utilidade prática. Neste caso torna-se indispensável observar restritamente os critérios, como sejam os valores da temperatura, agua, e o seu movimento. Também há que proporcionar aos peixes ajuda para a desova.

Os aquários destinados a criação das especiais, denominam-se aquário de criação dele se cuida dos alevins até estes atingirem um tamanho que evite que sejam devorados pelos animais adultos.

Alem dos tipos de aquários mencionados anteriormente, distinguem-se ainda os aquários de águas frias, e aquário de água salgada, estas denominações derivam essencialmente das condições ambientais naturais dos peixes.

Os aquários de quarentena são destinados ao tratamento de peixes doentes, ou a manutenção daqueles que adquirimos, e que apresentam mau especto, podendo assim observar a evolução antes de os transferir para o aquário principal ou se for necessário trata-lo convenientemente.

Os aquários de plantas dito “Holandês “são destinados exclusivamente a manter ou exibir plantas.

Diferentes classes de peixes.

Os aquários comunitários e geográficos são os mais frequentes entre os aficionados que não se podem permitir a ter uma coleção de aquários em casa. Estes permitem ter uma grande variedade de peixes, e ao mesmo tempo, oferecer uma estética notável, se bem planificadas. Estes aquários ao ser maior possível, como sempre se recomendam, pois assim podemos colocar mais espécies diferentes e mais exemplares de cada um. Neles podemos combinar cores, formas, tamanhos e comportamentos, para que sobressaiam as espécies e não se ataquem entre si.

Um elemento fundamental dos aquários é o conjunto formado pelas espécies que se agrupam se em cardume. Quando colocamos alguma destas espécies no aquário, não deve ser em grupos menores de cinco ou seis exemplares, não só porque se sentem melhor acompanhados pelos seus congéneres, mas também porque dentro do grupo há tensões e inclusive uma hierarquia que favorece os mais débeis, tendo menos problemas para conseguir comida e não serem atacadas por outras espécies.

Também quando se colocam novos exemplares do cardume já formado, há que ter cuidado se a diferença de tamanho é notável. O pacífico Néon, pode deixar de ser tão encantador, quando assassinam os seus congéneres mais pequenos, de uma só mordiscada entre os olhos. Todas as precauções e o renunciar a algumas espécies é compensado pelo espetáculo que oferece um grupo compacto de peixes percorrendo o aquário de um extremo ao outro.

Se misturarmos vários grupos, o efeito chega a perder-se ao desmembrarem-se nas suas idas e voltas. Em termos paisagísticos os peixes de cardume proporcionam uma maior beleza do que os exemplares com mais personalidade própria. Com isto nos referimos as espécies territoriais de aspeto, individual e mais destacado o tamanho. Pelo seu comportamento só podemos colocar um ou dois casais, ou até um macho e duas fêmeas. Ate a decoração estará um pouco condicionada aos seus gostos para que existam barreiras entre um território e outro quando pelo contrário os peixes de cardume necessitam de espaço livre para nadar.

Os níveis de natação.

Para que o conjunto formado por várias espécies de peixe seja harmonioso devera selecionar ente aquelas que nadam a diferentes alturas e prefiram zonas diferentes do aquário como áreas livres, sombras entre a vegetação, esconderijos no fundo, zonas de correntes ou zonas tranquilas, etc. No planeamento do nosso aquário devemos selecionar uma espécie que nade a superfície, algumas na zona intermédia, e alguma própria do fundo.

Recomendo uma só espécie de superfície, porque nesta zona há menos espaço devido as plantas altas de folha larga, as flutuantes e também tubagens de saída e entrada de água dos filtros.

Na zona intermediaria favorecida pelo escalonamento das plantas e algum tronco decorativo, pode viver mais do que um cardume, se o aquário não for muito pequeno, junto com algum peixe territorial, que melhor se adapta ao fundo.

Finalmente, sobre a areia, as espécies de fundo que são solitárias na maioria das vezes, colocar em média três de cada espécie, são mais do que suficiente. Em alguns casos, os que são demasiados agressivos entre si, só deverão colocar um exemplar.

Alguns conselhos.

Mesmo sendo arriscado dar conselhos, que estamos obrigados a isso para uma melhor orientação. Por favor, não tomem estes conselhos a risca. Podemos dizer que um aquário equilibrado pode albergar um centímetro de peixe por cada litro de água livre. Claro que não é o mesmo, dez centímetros de comprimento de um casal de peixes lápis, que os dez ocupados por robusto discos. Verdade?
Num aquário de 200 litros, podemos instalar 200 centímetros de peixes, dando um exemplo com a seguinte população:

 

  • SUPERFÍCIE: 10% do total de peixes. Uma espécie de cardume. Por exemplo, 5 peixe de 4 cm.
  • ZONA MEDIA – ALTA: 30% do total. Uma espécie de cardume. Por exemplo, 12 peixe de 5 cm
  • ZONA MEDIA – BAIXA: 40% do total. Uma espécie de cardume. Por exemplo, 10 peixe de 4 cm. Uma ou duas espécies singulares ou territoriais. Por exemplo, 5 espécie de 8 cm
  • FUNDO: 10% do total. Ate três espécies em grupos de três ou sozinhos. Por exemplo, 4 peixe de 5 cm
  • Cada um escolha os nomes das suas espécies favoritas pelo tamanho indicado terá o seu aquário planificado, só devem coincidir as suas necessidades vitais.
Jordanella floridae
Jordanella floridae
Potamogeton Filiformis
O nosso grupo no Facebook
Potamogeton Filiformis
Aqualon - 2014 - Julho - Agosto - Setembro
Copyright © 1983- 2019 todos os direitos de autor reservado. Todas as informações e fotografias contidas nesta página não podem ser reproduzidas, mesmo parcialmente, sem o acordo do autor.
Uma paixão que já dura desde da década de 80, mais precisamente em 1983, o ano da descoberta do mundo da aquariofilia com o meu primeiro aquário de 60 litros, neste momento posso dizer que tenho um conhecimento médio/alto. Bio-Peixe Grupo no Facebook ou Facebook