BioPeixe.com

Bio Beixe

Tudo o conhecimento para o seu aquario

Categoria: Diagnosticar

Esta página teve 530 views
A importança do aquário de Quarentena

Podemos definir a quarentena como o período de isolamento, onde passam os novos peixes antes de serem introduzidos no aquário principal. A duração não tem que ser de quarenta dias, e na maioria dos casos bastam duas ou três semanas. O isolamento dos primeiros peixes que são destinados para um novo aquário, não é tão necessário passara pela quarentena, embora é sempre conveniente. A quarentena tem uma dupla finalidade, por uma parte, diminuir os riscos de infecção pelos agentes patológicos que os novos peixes possam transportar, ao mesmo tempo dar oportunidade ao peixe de recuperar fisicamente de todo o stress acumulado durante o transporte. Todo este processo é necessário que seja efectuado num aquário diferente do normal, que é conhecido como ” aquário de quarentena “.

 

Aquário de quarentenaAquário de quarentena

Um aquário de quarentena deve preencher os seguintes requisitos:

  • O tamanho depende da espécie e do número de indivíduos que vão estar de quarentena. Em princípio não deve conter mais de 60 litros.
  • Ter um filtro mecânico, já que a biológica seria afectado pelos medicamentos (antibióticos, sulfamidas, etc.)
  • Não utilizar o carvão ativado como filtro, porque retém os medicamentos.
  • O sistema térmico deverá ser constituído por um termóstato submergível de potência proporcional ao volume de água (em media 1 litro por watt) e um termómetro.
  • Para a iluminação basta uma lâmpada convencional de aquário.
  • A decoração deve ser sóbria, a base de plantas de plástico, vasos, tubos e / ou estruturas similares por proporcionam o mínimo de lugares para se esconder, o que não impede uma boa observação dos peixes.

 

Sistemas de quarentena

Pode-se falar de dois sistemas de quarentena, de funcionamento permanente e de funcionamento ocasional.
A maioria dos aquariofilista utiliza o ” método ocasional “, instalando o aquário de quarentena cada vez que adquirem novos exemplares. Em aquariofilia de água doce, isto não será um problema de maior, mas em aquariofilia marinha a situação muda. O equilíbrio e concentração dos componentes nitrogenados (amoníaco, nitritos e nitratos) são muito difíceis de os manter, durante os primeiros dias de funcionamento, em níveis não tóxicos para os peixes. Por isso, vemo-nos obrigados a realizar contínuas mudanças de águas e renovação frequentes das cargas filtrantes. O “método permanente ” implica ter o aquário em funcionamento, já equilibrado, sempre pronto para receber novos peixes. Tem um resultado talvez mais cómodo que o método anterior, mas tem vários inconvenientes, ocupa um espaço fixo, causa mais trabalhos de manutenção e sempre que seja necessário medicar, será necessário esperar até que se estabeleça o equilíbrio biológico que entretanto alteramos.

Quarentena para quem?

  • Peixes: Para qualquer novo exemplar que vá conviver com uma povoação já estabelecida
  • Plantas: Mais que quarentena, temos que falar de desinfeção que é muito diluída de algum desinfetante, como por exemplo verde de malaquite, sal, permanganato de potássio. Como isto, evitamos introduzir pequenos organismos (hidras, pequenos caracóis, ácaros aquáticos. etc.) que podem chegar a ser uma praga.
  • Invertebrados: A patologia dos invertebrados marinhos comercializados em aquariofilia é praticamente desconhecida. É muito recomendável mantê-los em observação por um período de 5-10 dias, até ter a certeza de que esta tudo em bom estado, já que ao morrer, algumas espécies soltam grande quantidade de substâncias orgânicas que poluem as águas, inclusive poderiam chegar a ser tóxica para os peixes. Dada a extrema sensibilidade de alguns invertebrados marinhos, quase a totalidade dos medicamentos, em especial os que contem cobre como princípio ativo, não se deve medicar nem sequer como prevenção, durante a quarentena destes. Os invertebrados de águas doces mais frequentes no comércio são os caracóis de género Ampullaria (caracol maçã) e os camarões de águas doces. Os primeiros podem ser, de larvas Ictioparasiticos, principalmente fungos e crustáceos de brônquios que podem contagiar os peixes. Obviamente, se vão fazer parte de um aquário em conjunto, deverão passar um período de quarentena igual ao dos peixes.

Aclimatizarão ambiental

Uma vez acabada a quarentena, chega o momento de introduzir os novos peixes ao aquário. Com espécies de um determinado carácter territorial, e portanto com qualquer novo peixe, pode ser de seu interesse submergir previamente os novos peixes num compartimento independente (para o qual serve uma simples maternidade) durante umas horas. Quando se soltar definitivamente os peixes, deve-se faze-lo nas últimas horas do entardecer, porque durante a noite correm menos riscos de serem hostilizados.

Conselho para o transporte de peixes

 

  • O método mais utilizado é um saco de plástico.
  • O saco que contem 1/2 de água e 2/3 de ar.
  • Fecha-lo mais hermeticamente possível.
  • Protege-lo das temperaturas extremas, sobre tudo no inverno.
  • Reduzir a duração ao mínimo. Em transportes longos introduzir oxigénio puro sobrepressão.
  • O mesmo sistema com espécies de pequeno tamanho que podem ficar presos nas esquinas e asficxiarem.
  • As espécies demasiado volumosas devem ser transportadas em recipientes de boca larga que não sejam de vidro.

Um exemplo de quarentena

  • Durante da primeira semana, observação e anotação da evolução do peixe.
  • Durante da segunda semana, aumentar a temperatura da água até 28 – 30 °C, para acelerar o aparecimento de possíveis infecções latentes.

Durante da terceira semana, recuperar a temperatura normal. Se surgir algum problema, tratarmos com os medicamentos adequados até que seja erradicado. Caso contrário manter a observação até a quarta semana, na qual procederemos a introdução dos peixes no aquário principal.

Brycinus longipinnis
Potamogeton Filiformis
O nosso grupo no Facebook
Potamogeton Filiformis
Practical Fishkeeping - 2016 - 02-Fevereiro
Practical Fishkeeping - 2016 - 04-Abril
Copyright © 1983- 2019 todos os direitos de autor reservado. Todas as informações e fotografias contidas nesta página não podem ser reproduzidas, mesmo parcialmente, sem o acordo do autor.
Uma paixão que já dura desde da década de 80, mais precisamente em 1983, o ano da descoberta do mundo da aquariofilia com o meu primeiro aquário de 60 litros, neste momento posso dizer que tenho um conhecimento médio/alto. Bio-Peixe Grupo no Facebook ou Facebook